Archive for the ‘Sobre o Blog’ Category

h1

A Mira Morreu

julho 15, 2009

–          A Mira morreu

–          Morreu de quê?

–          Morte matada ou morte morrida?

–          Morte de Cansada

–          Chegou, colocou as pernas para o ar, respirou fundo e apagou.  Quase esqueceu que tinha um blog…

Anúncios
h1

Sobre Retas Paralelas – A Geometria do Amor

junho 18, 2009

Todo mundo, um dia, já ouviu falar que as retas paralelas se cruzam no infinito. Eu inclusive, já acreditei nisso. Sempre usavam como exemplo as viagens que fazemos por rodovias retas. Lá na frente, parece mesmo que elas vão se cruzar, mesmo sabendo que viajando de São Paulo para Goiás, podemos dormir por horas no carro e estaremos perfeitamente seguros, como estávamos antes de cochilar.

Retas paralelas têm a mesma inclinação e podemos passar uma reta perpendicular as duas ao mesmo tempo. Não sei se essa é a definição exata de retas paralelas, mas isso já basta para que você me compreenda.

Quero falar de pessoas e de inclinações. Você, com certeza já ouviu máximas como “dois bicudos não se bicam” e sua mãe já deve ter te dado conselhos sobre procurar uma pessoa que é diferente de você usando aquele velho argumento de que um deve completar o outro e que se você e o seu parceiro fossem muito parecidos a vida seria monótona, sem emoção. Acontece que, teimosos como somos, insistimos em procurar aqueles que mais combinam com o nosso perfil, que goste das mesmas coisas, e acreditamos fortemente que um dia iremos encontrar.  Ou seja, procuramos pessoas com a mesma inclinação e insistimos que mesmo que demore, um dia vamos “cruzar” com uma delas por aí. Se você pensa assim, sinto muito, mas tenho uma péssima notícia: A geometria proíbe.

Quê? O que a geometria tem a ver com a minha vida?

Calma, calma. Eu explico.

Imaginemos que em um determinado ponto no espaço, as retas se cruzam. Você finalmente encontrou quem procurava. Portanto, há um ângulo maior que zero, entre vocês. Certo? Peguemos agora, uma reta, aquela que é perpendicular a você e a outra pessoa. Agora, some os ângulos do interior do triângulo formado.

Opa… Como assim? Deu maior que 180 graus.

Pois é, isso é um Absurdo. Logo, não insista. Não vale a pena ficar esperando aquela pessoa que gosta dos mesmos filmes que você, que tem a mesma personalidade e que tem opiniões similares porque simplesmente as coisas não vão dar certo.  Nem que demore muito, nem no infinito, você vai conseguir “cruzar” com essa pessoa, já que, como eu disse, a geometria proíbe.

h1

Clichê do começo de Junho

junho 11, 2009

 O Grande dia está chegando. As propagandas não nos deixam esquecer. Nem a excitação dos que alimentam fantasias com o dia. É Amanhã!! É Amanhã!!

Chovem anúncios, declarações de amor eterno, trocas de presentes. Escorrem pelos dedos a originalidade e a criatividade. Todos correm loucamente atrás de conselhos sobre o que dar e o que não dar para o respectivo e dividem espaço e a atenção dos vendedores nas lojas com outras pessoas igualmente perdidas. Afinal, tudo que tinham pensado em dar estava naquela listinha negra da revista, e o que estava como um bom presente ou é muito caro, ou já acabou.

 Se você é um desses perseguidores de conselhos, deixo-lhe um. Ignore todos esses conselhos. Ignore o meu também se não souber ser original. O importante é conhecer o parceiro. Dessa forma não se erra. Se há dúvidas no presente, observe melhor a pessoa que gosta, seus hábitos, suas preferências, e suas necessidades. Planeje e trabalhe. É sempre bom saber que o outro se dedicou para agradar. E lembre-se; a beleza está em ser diferente, em ser inesperado, e em surpreender.  É bem melhor ganhar presentes quando não se espera por ele. É bem melhor sair para jantar numa noite em que nem todas as pessoas do restaurante estão com a mesma cara de bobo que você e a pessoa na sua frente. E é bem melhor ouvir um “Eu te amo” quando a situação não exige.

Pense nisso.

Agora, se você é solteiro, aproveite, mas sem sair de casa. Não ligue a televisão, se for aberta, e só navegue por sites com conteúdo apropriado para o seu dia, um dia como outro qualquer. Chame uns amigos, faça uma festa e esqueça os apaixonados ou mentirosos lá fora, afinal, você está feliz e uma festa pode ser um programa muito mais divertido. Todos os seus amigos namoram?  Não tem problema. Vem para cá. A minha festa já está montada!  

Festinha na casa da Mira

Favor cofirmar presença, ou ausência, ou grite, ou diga o que quiser, nos comentários.

h1

Comentários, Perguntas e Agradecimento

junho 1, 2009

Recebi comentários, a maioria deles pessoalmente ou por msn, a respeito dos Causos da Solteirona (Leia aqui os textos: O causo da Solteirona e Mais um Causo da Solteirona).  Acredito que as pessoas se identificaram com a personagem e todos a defendem:

– Coitada dela, Mira. Você só ferra com ela.

– Ah… O texto é engraçado, mas dá dó.

Os mais ousados chegavam a dizer:

– Mira, você é muito pessimista. Por que tudo tem que dar errado para ela?

Alguns ainda faziam exigências:

– Agora você VAI ter que dá um final feliz para ela.

Eu:  – AH… não vou não.

– Eu acho bom você escrever alguma coisa bem legal. Tá todo mundo esperando um final feliz.

Eu: Por acaso meus textos viraram novela agora?

Diante desse problema resolvi dar um grito:

 Ei, eu não sou má, nem pessimista. Só achei que ficaria mais engraçado se fugisse do padrão em que todas as histórias acabam bem. Essas, na maioria das vezes não trazem surpresas, e eu adoro ser surpreendida por um livro, texto ou autor.

O objetivo dos textos não é apenas contar uma estorinha engraçada. É analisar, de forma divertida, por meio de acontecimentos narrados sob a ótica da solteirona, a mentalidade e o raciocínio de uma mulher desesperada em sua vida amorosa, suas fantasias e analogias com a realidade.

Ela é uma mulher apegada a títulos e aparências, que consegue transformar uma noite chuvosa com lua nova, provavelmente escondida pelas nuvens, em uma cena romântica, ao mesmo tempo em que oscila entre insegurança e coragem, diante do que ela, fantasiosamente, considera perfeito.  

Como eu poderia dar a essa mulher um final feliz se eu nem sei se o que ela fala é verdade ou se não passa de imaginações da sua cabeça?  Quem sabe, aquele interesse todo do seu pretendente seja apenas uma ilusão que deixa a vida dela mais doce, apesar dos problemas que ela se mete por causa disso.

No entanto, em consideração aos queridos leitores e por recomendações de um deles, venho fazer algumas perguntas. (espero que tenha respostas aqui mesmo)  

Você acha que a solteirona merece um final feliz?

Nesse final feliz ela obrigatoriamente tem que ficar com o PhD?

Alguma sugestão de final?   

Aproveito para agradecer o apoio que todos têm me dado e a presença (Média de 19,8 visualizações por dia, com recorde de 49 em um só dia) muito maior que eu poderia imaginar para o começo do Blog.

obrigada

h1

Introdução

maio 20, 2009

Escrever é um hobby e publicar é um desafio.

Sempre gostei de desafios. Quando adolescente tinha um blog no weblogger (não existe mais) com esse mesmo título. Vou começar dizendo o porquê dele.

Sorumbática significa triste,abatida, e isso eu não sou. Gosto da palavra pelo mesmo motivo que não gosto da palavra “bem”. Pela fonética. Costumo não gostar de usar palavras pouco conhecidas, mas como estou dizendo o significado aqui, posso fazê-lo sem prejuízo ao leitor.

Esse blog será meu caderno de anotações público. Sempre fiz anotações das coisas que me impressionaram durante o dia, das atitudes que tomei, etc. É algo que me ajuda a pensar e fazer uma auto-análise. Não pretendo dividir com você todos esses pensamentos, primeiro porque algumas coisas são particulares e segundo porque ficaria cansado de ler tanta bobagem. Por isso, aqui terá apenas uma seleção dos melhores textos que um dia escrevi.  

Além disso, você poderá encontrar aqui um pouquinho sobre ciência (meu mundo acadêmico), sobre literatura (meu segundo refúgio) e sobre arte e música (minha fuga).  Não fique preocupado com o excesso de uso da 1ª. Pessoa nessa introdução. Sempre procuro escrever genericamente.

Puxe a sua cadeira e vamos brincar com as palavras…